Thursday, November 09, 2006

Coisa boa e coisa ruim...

Começando pela COISA RUIM...

Ouvi a seguinte barbaridade de um colega de trabalho inglês e que, provavelmente, faltou na escola quando ensinaram "o que não falar para uma mulher a não ser que você queira tomar uma bifa". A conversa aconteceu enquanto esperava meu espetinho toda serelepe na cafeteria...

COLEGA - Como está conciliar trabalho e faculdade?
EU - Correria, mas ok...
COLEGA - Você está com cara de cansada. Mas até aí, às vezes você tem mesmo cara de cansada. Você fica com essas olheiras aí (apontando).
EU - Haaaaam??? Cuma? Helloooo?

(Nem acho que tenho tanta olheira. Mas nem preciso dizer que desde então passo corretivo religiosamente todos os dias.)

Mas, nem só de experiências sem noção vive uma pessoa QUE NÃO TEM OLHEIRAS PROFUDAS! Então, a COISA BOA.

Passei tarde dessas sentada no meu sofá, ao lado do meu gringo-lindo, observando dois encanadores supermodels passearem pela casa com seus metros e 90 e seus cintos de utilidades. Um loiro, um moreno. Uma cena assim começo de filme pornô dirigido por mulher. Eles vieram consertar o aquecimento e, meninos e meninas, a temperatura subiu. Pelo menos na minha cabeça cheia de idéias. Porque imaginação não precisa se comportar. Hihihi. Se alguma solteira estiver com problemas de encanamento é só me avisar que eu passo o número!

5 comments:

Bel said...

Ah se os encanadores daqui fossem assim...

Quanto ao colega: ele é GAY! Simples assim.

ticolina said...

encanador eh foda, neh?
soh o nome da profissao jah libera a nossa fantasia.

marina said...

Meu Deus!! Primeiro é o sapateiro entendedor das mulheres. Agora você me vem com encanador gostoso?? E o pior (melhor): SÃO DOIS!!!! NOSSA....Manda pra cá tipo exportação vai!!!

Beto Andrade said...

Oi, to ainda com teu sonho em mente, o da Erundina com Alckmin. Essa noite sonhei que estava junto com o Martinho da Vila e com a Cidinha Campos dentro de uma igreja perseguindo um gordo nojento invisível que de vez em quando se materializava como um holograma pelo meios dos bancos e cuspia uns jatos nojentos. No final, Cidinha Campos me abraçava e beijava e o Martinho da Vila rolava pelo chão como o gordo. Dante!

liniane said...

Rsrsrsrsrrsrrsrs. Lini